PLP 060 - Advanced - Short Story in Portuguese - A Figueira

Short story in Portuguese for advanced learners

Olá!

Bem vindos ao episódio 60 do Portuguese Lab Podcast.

This episode is a short story for advanced learners. It’s based on a true story about two kids from a village in the mountains, stealing figs from a fig tree, and encountering a witch.

Listen to the episode

 

Text

Numa fresca manhã da serra, dois rapazes duma pequena aldeia atravessaram o adro da igreja ainda fechada.

Os pássaros ainda estavam a despertar na copa das árvores que ladeavam a fonte de água que vinha direta da nascente. Um dos rapazes abriu a torneira e, com as mãos em concha, deu um grande golo de água.

“Ui, que fria!” disse ele, esfregando rapidamente as mãos uma na outra.

“Vamos, pela quelha!” disse Rui, o mais novo.

Entraram na quelha depois da casa do ferreiro e subiram em zigue zague até chegarem ao muro que separava o caminho da propriedade do conde. Treparam o muro e saltaram para o outro lado.

“Au!” gritou o Luís. “Já pus a mão em cheio em cima de uma urtiga.”

O Rui riu-se enquanto se enfiava debaixo dos ramos de uma grande figueira. No lusco-fusco do interior da figueira viam-se, pendurados, os frutos em forma de gota.

“Hmm, os figos estão mesmo grandes.” disse o Rui. “Abre aí o saco.”

Enquanto um dos rapazes abria um figo suculento, o outro ia apanhando-os e deixando-os cair dentro do saco.

 
 
Portuguese Lab Podcast - European Portuguese - 60 - Advanced - Short Story - A Figueira.png
 
 

“Chiu! Ouviste aquilo?”

“Não ouvi nada. De que é que estás a falar?” perguntou o Luís.

Olharam os dois por entre os ramos para o exterior, onde o dia ainda estava a clarear.

“Ali, do outro lado da quelha. Pareceu-me ouvir um grito.” disse o Rui.

Além do muro, do outro lado da quelha, numa pequena elevação, erguia-se uma oliveira centenária, negra e de ramos despidos.

“Vamos lá ver.” sugeriu o Rui.

“Nem pensar! Aquela não é a oliveira amaldiçoada?” perguntou o Luís.

“Não digas disparates. Lá porque uma oliveira ardeu duas ou três vezes, não quer dizer que esteja amaldiçoada.”

Os dois rapazes pousaram o saco de figos em cima do muro e aproximaram-se pé ante pé da oliveira. Na base da árvore, onde grandes raízes formavam uma reentrância estava um vulto de costas, agachado.

“Ai, ó Rui, vamos embora.” sussurrou o Luís.

“Deixa de ser maricas!” disse o Rui.

“Não sei porque é que ainda te dou ouvidos…” disse o Luís.

O vulto, todo vestido de negro, estava a entoar uma cantilena quando parou repentinamente, ficando em silêncio absoluto.

No lusco-fusco do interior da figueira viam-se, pendurados, os frutos em forma de gota.

Os rapazes, apercebendo-se de que tinham sido descobertos, ficaram imóveis. Por breves momentos só se ouviu um rego de água a passar ali perto.

O vulto, uma velha de lenço negro na cabeça e nariz adunco, rodou rapidamente sobre os calcanhares e lançou-lhes um olhar furioso.

“O que fazeis aqui?”

Um dos rapazes ainda conseguiu balbuciar: “ Nós...” mas parou ao ver que a velha tinha numa das suas mãos uma pena de corvo.

“É uma bruxa, Rui! Foge!” gritou o Luís.

“Bem que podeis tentar fugir para vossa casa, minhas pestes.” grasnou a velha. “Já estais sob o feitiço que acabei de vos lançar!”

Um dos rapazes agarrou o outro pelo braço e foram os dois aos tropeções pela quelha abaixo, sem olhar para trás.

A velha ainda os observou durante um pouco até desaparecerem de vista. Depois foi até ao muro, agarrou no saco de figos e continuou a subir a quelha.

 

You might also like

Be an insider